Home » Animais » Anaconda ou Sucuri

Anaconda ou Sucuri

No mundo das cobras há uma que se destaca pela sua presença e tamanho imponentes, aliás é o maior do mundo. É a sucuri (Eunectes murinus), uma jibóia que pode atingir 12 metros de comprimento e pesar até 300 quilos.

Anaconda

O cinema de Hollywood a trouxe para a tela mostrando-a como um animal aterrorizante, capaz de engolir um ser humano, mas além dessa capacidade de caça que é mostrada nos filmes, a anaconda possui múltiplas características que se destacam.

A Anaconda não é venenoso, mas constritor. Ela captura sua presa com suas presas, enrola-se ao redor de seu corpo e aperta seus músculos para quebrar seus ossos, sufocá-la e depois engoli-la. Digerir sua vítima é um processo que geralmente leva várias semanas, dependendo de seu tamanho.

Descrição da Anaconda, suas características

A anaconda é de cor verde azeitona com manchas escuras espalhadas por todo o corpo. Os flancos apresentam ocelos amarelos circundados por um anel preto; a barriga é amarela manchada de preto. Distingue-se principalmente por ter listras vermelhas e pretas em cada lado do rosto, logo atrás do olho.

Cabe ressaltar que apenas as fêmeas podem atingir um tamanho grande porque os machos não excedem 4 metros.

A Anaconda é uma cobra d’água, razão pela qual é conhecido como “Boa da Água”. Ela gosta de manter o corpo submerso e apenas os olhos e as narinas vêm à tona. É capaz de nadar em alta velocidade e pode ficar submerso por até 10 minutos.

Quando estão em terra é muito mais lento, por isso quase sempre comem na água ou nas margens dos rios, tendo como principal alimento peixes, pequenos mamíferos e aves.

Houve relatos de sucuris engolindo uma vaca inteira, mas sua dieta geralmente inclui antas jovens, veados, queixadas (porcos selvagens) e jacarés.

A Anaconda

Habitat da anaconda

Embora sua presença esteja associada ao rio Amazonas, este não é o único local onde a anaconda vive. A jibóia também é encontrada nas bacias dos rios Orinoco, Putumayo, Napo, Paraguai e Alto Paraná. Ela ocupa territórios da Guiana, Ilha de Trinidad, Venezuela, Colômbia, Brasil, Equador, Peru, Bolívia e noroeste do Paraguai. Anteriormente também habitava certas áreas da Argentina, mas com o passar dos anos suas espécies foram extintas naquele país.

Seu habitat favorito é a água., mas também se adapta perfeitamente a árvores e espaços terrestres. Nas regiões de selva, bacias hidrográficas e principalmente em lagoas de água parada eles encontram seu lar.

Anacondas que vivem em pântanos correm o risco de ficarem desidratadas quando os pântanos secam. Às vezes, eles cavam e estivam por meses na lama até que o pântano se encha de água nova. No entanto, espécies mortas foram vistas em estuários secos, longe da água.

Para a água boa também gosta de se refugiar em tocas e buracos naturais onde são fáceis de encontrar na estação seca extrema, ao longo de rios e córregos. Durante a estação chuvosa, eles se espalham por savanas inundadas e são difíceis de localizar.

Reprodução

A Anaconda é vivíparo e o tempo de gestação é de 6 meses. Suas ninhadas são de 20 a 40 filhotes, mas podem ser muito mais. Ao nascer mede cerca de 60 centímetros e agora pode nadar e se alimentar. Quando é pequeno, é vulnerável e pode ser predado por animais maiores.

Devido ao seu tamanho e agressividade, a anaconda está localizada no topo da pirâmide alimentar. Muitos consideram que ela não tem rival para vencê-la, pelo menos durante sua juventude. Quando atinge a idade adulta, pode ser predado por onças, embora isso aconteça por acaso. É muito raro quando isso acontece. Essa característica é o que faz com que a anaconda desfrute de grande longevidade. A idade média deles é de 15 anos e casos excepcionais de espécies que viveram até 50 anos foram registrados.

Características da Anaconda, habitat, reprodução, o que come Réptil

Preservação da Anaconda

Não é fácil para os conservacionistas proteger ou defender as cobras, principalmente uma tão imponente quanto a anaconda que gera medo, porém há estudos que indicam que há cada vez menos mortes desse animal.

Anteriormente, o homem caçava a anaconda para usá-la como remédio natural. Muitos pensam que a gordura é milagrosa para o reumatismo, por isso foi vendida a um preço muito alto. No entanto, esta prática diminuiu consideravelmente.

É importante convencer as pessoas a protegerem o seu património natural através de campanhas, cartazes ou palestras nas escolas locais, mostrando que as sucuris, juntamente com o resto da fauna, são inerentes à área e como tal devem ser protegidas.

caio carbonaro

Sobre Caio A Carbonaro Guerreiro

Caio A. Carbonaro Guerreiro é um renomado biólogo da Universidade de Santo Amaro, com vasta experiência e profundo conhecimento em seu campo. Ao longo de anos de dedicação, ele se destacou em pesquisas e projetos que contribuíram significativamente para a compreensão da biodiversidade e conservação ambiental. Sua paixão pela natureza e seu compromisso com a preservação a tornam uma referência respeitada, e seu trabalho tem um impacto duradouro na proteção dos ecossistemas e na educação ambiental.