Home » Animais » Citoesqueleto

Citoesqueleto

O citoesqueleto É uma estrutura tridimensional que funciona como um músculo e é composta por um conjunto de proteínas que compõem o citoplasma. Por meio dele é possível processo de movimento e divisão celular.

citoesqueleto

Esse conjunto de células eucarióticas que compõem o citoesqueleto são fibras longas que são definidas como polímeros de subunidades. Eles são subdivididos em microfilamentos, microtúbulos e filamentos intermediários.

Microfilamentos

São estruturas muito finas, distribuídas em uma espécie de rede com ramificações que formam uma espécie de cadeia que estão ligadas em uma hélice. Eles são formados pela proteína actina. Devido a esses mesmos ramos, eles podem estar localizados em várias partes do citoplasma, como abaixo da membrana plasmática ou em algumas junções intercelulares.

Graças à ação conjunta da proteína actina com outras moléculas, como a miosina, é criada a base molecular do processo de contração de algumas células, como as células musculares.

Microtúbulos

Como o próprio nome indica, são tubos longos e ocos, com cerca de 20 a 25 nm de diâmetro e sem ramificações. Eles são compostos pelas proteínas beta e alfa tubulinas., que se desenvolvem em todo o citoplasma. Eles atuam como um suporte para definir a forma da célula.

Os microtúbulos também formam as fibras do fuso para separar os cromossomos na mitose. Eles também fazem parte de outras estruturas que compõem células chamadas cílios e centríolos centrossomos.

Filamentos intermediários

São os elementos que conferem maior estabilidade ao citoplasma e são compostos por diversas proteínas. Alguns deles são: Queratina, Vimentina, Desmina, Proteína Ácida Fibrilar Glial (GFAP), Neurofilamentos, Laminas Nucleares e Nestina.

Em células procarióticas descobriu-se que o citoesqueleto também é encontrado. Estruturas muito semelhantes às encontradas em células eucarióticas foram encontradas.

Neste caso o citoesqueleto é formado por estruturas do tipo de células procarióticas. E como nos eucariotos, o citoesqueleto está relacionado a funções importantes como a manutenção da forma e divisão celular.

Alguns dos componentes do citoesqueleto em procariontes são: o Crescentina, MreB e o Ftsz.

Função do citoesqueleto

O que o citoesqueleto faz é manter a forma na célula e são um andaime para que diferentes organelas possam ser fixadas.

Também facilita o movimento celular através do uso de estruturas como flagelos e cílios; da mesma forma, desempenha um papel muito importante no tráfego intracelular, como em vesículas e organelas.

Citoesqueleto nas células epiteliais

Nas células epiteliais (pele) do intestino também estão presentes os três tipos de fibras que compõem a estrutura do citoesqueleto. Os microfilamentos são refletidos dentro das vilosidades, formando a superfície celular. Os microtúbulos se desenvolvem do centrossomo para a periferia da célula. Os filamentos intermediários ligam as células adjacentes através do desmossoma.

Investigações de citoesqueleto

É importante notar que nas micrografias os componentes do citoesqueleto parecem estar estáticos, porém, eles estão sempre em movimento e são estruturas capazes de se reorganizar muito rapidamente.

Na medicina sempre foi aceito que o citoesqueleto era uma criação eucariótica que as células procarióticas não possuíam. No entanto, as pesquisas mais recentes mostraram que as células procarióticas possuem entre seus componentes proteínas semelhantes à tubulina e actina, que se polimerizam em filamentos citoplasmáticos. Isso significa que eles cumprem funções semelhantes às do citoesqueleto.

Os avanços médicos também mostraram que existem proteínas vagamente relacionadas às dos filamentos internos em alguns procariontes. Isso sugere que os três tipos de elementos que compõem a estrutura do citoesqueleto Eles têm sua origem evolutiva em estruturas procarióticas.

Primeiras descobertas

Foi o biólogo canadense Keith Porter quem descobriu o citoesqueleto na década de 1980. Mais tarde, foi o Dr. Ronald Ingber quem deu uma explicação mais técnica onde apontou que a célula tinha uma forma mais arquitetônica, chamada estruturas de tensegridade.

Atualmente, os cientistas estudam a evolução do citoesqueleto e, a partir desse modelo, propõem uma evolução mais rápida, que chamaram de “modelo de complexidade inicial”. Este modelo sugere processos de diversificação e especialização das principais moléculas do citoesqueleto, como a proto-actina e a tubulina. Da mesma forma, a complexidade do sistema na última célula patrimonial de eucariotos aumentou.

Os cientistas conseguiram analisar a complexidade nas células citadas com a produção aumentando as proteínas que fazem parte de cada filamento. Isso também aumentou a produção de proteínas motoras e acessórias.

Alterações no citoesqueleto

O citoesqueleto muda quando as células cancerosas aparecem porque aumentam muito sua mobilidade. Além disso, a extensão do câncer (metástase) dependerá da invasão de tecidos próximos por células tumorais.

A principal função do citoesqueleto é a proliferação celular, razão pela qual são usados ​​medicamentos para inibi-lo em pacientes com câncer. Os pacientes devem consumir este tipo de medicamentos para a doença, que interferem na função do citoesqueleto.

A dinâmica do citoesqueleto é essencial para que as células se desloquem de um lugar para outro, mas mesmo quando mudam de posição, podem retornar ao seu local original em repouso.

caio carbonaro

Sobre Caio A Carbonaro Guerreiro

Caio A. Carbonaro Guerreiro é um renomado biólogo da Universidade de Santo Amaro, com vasta experiência e profundo conhecimento em seu campo. Ao longo de anos de dedicação, ele se destacou em pesquisas e projetos que contribuíram significativamente para a compreensão da biodiversidade e conservação ambiental. Sua paixão pela natureza e seu compromisso com a preservação a tornam uma referência respeitada, e seu trabalho tem um impacto duradouro na proteção dos ecossistemas e na educação ambiental.