Home » Animais » Liopleurodonte

Liopleurodonte

Divulgue para seus amigos e seguidores!

Os oceanos europeus foram dominados há 155 ou 160 milhões de anos pelo liopleurodonte. Seu maior expoente, Liopleurodon ferox, podia atingir seis metros de comprimento e foi um dos carnívoros mais mortais do período jurássico meio e superior. O paleontólogo francês Henri Émile Sauvage a batizou com base em três peças dentárias. Por esta razão, explica-se que -desde 1873- são conhecidos como liopleurodon, cujo significado em latim é “dentes de lado liso”.

Liopleurodonte

Os primeiros fósseis encontrados por Sauvage tinham 70 milímetros. Em sua maioria, as descobertas foram feitas em território inglês e francês. A construção do Liopleurodon sugere que foi excelente nadadorporque tinha quatro membros semelhantes a barbatanas.

Os avanços tecnológicos permitiram simular, com a ajuda de um robô especial, como seriam seus movimentos nos oceanos europeus. Embora não sejam altamente eficientes, eles permitiram que ele acelerasse para perseguir suas vítimas.

A partir do Crânio

Considera-se que foi um carnívoro que recorreu a emboscadas no processo de caça. Da mesma forma, de acordo com vários testes realizados em seu crânio, estima-se que ele usou suas narinas ou narinas para detectar a origem de alguns odores debaixo d’água.

Especificar as medidas exatas do liopleurodon gerou opiniões conflitantes entre os especialistas. Assim, por exemplo, o especialista em paleontologia LB Tarlo propôs que o comprimento físico líquido pode ser calculado levando em consideração as dimensões da cabeça.

Segundo Tarlo, o crânio representa um sétimo da extensão total nesses espécimes. Com base nessa teoria, estima-se que o liopleurodon mediu cerca de dez metros e meio, mas isso não foi confirmado com certeza, uma vez que descobertas recentes relataram que a cabeça constituiria apenas um quinto do que seria sua compleição total.

Características e Alimentação do Liopleurodon

Liopleurodon tinha dois pares de barbatanas que podiam se mover juntas para acelerar ou separadamente para “manobrar”.

Estima-se que, graças aos seus membros poderosos, chegou a 45 km por hora. Mesmo que ele tivesse a incapacidade de navegar por áreas estreitas.

Outra característica que o torna um espécime fascinante era sua cauda curta, que compartilhava com outros plesiossauros. Seu peso estava em torno 50 toneladas e talvez fosse ovovivíparo.

Liopleurodon tinha narinas minúsculas em comparação com seu corpo. Portanto, os especialistas consideram que é provável que ele tenha respirado pela boca. Essa característica também indica que ele teria problemas para respirar fora da água e que seu peso o sufocaria. Ficar “encalhado” em terra o exporia a ser comido por répteis carnívoros.

Em matéria de dieta, o cardápio do liopleurodon consistia em tartarugas, tubarões, peixes, plesiossauros, ictiossauros e qualquer outro réptil que fosse desavisado nas águas próximas.

De Presas Poderosas

A cabeça do espécime marinho tinha fortes semelhanças com a de outros répteis, principalmente porque sua fisionomia era triangular. Visto de lado, percebia-se sua estrutura alongada. Da mesma forma, tinha um buraco na parte de trás da cabeça que minimizava o peso e conectava a orelha à massa cinzenta.

A parte da frente de seus dentes era de grandes proporções, com 18 centímetros cada peça, afiada e comprida. O tamanho amplo da mandíbula sugere que uma parte significativa de sua força estava concentrada nessa área.

Tais características sugerem que ele capturou sua presa e a matou na hora, sob a pressão de suas poderosas presas. As peças posteriores eram mais compactas, provavelmente ideais para arrancar a pele da comida.

Como evidenciado por vários testes o poder da mordida do liopleurodon, chegou a seis toneladas de coerção. Representava uma ameaça maior do que o famoso tiranossauro.

Detectando o Movimento

Liopleurodon foi altamente agressivo, mesmo com outro liopleurodon. Tinha extensas áreas para caçar, mas os exemplares eram poucos. Se um par combinasse, a partida terminaria em uma luta mortal. As fêmeas procuravam o macho mais adequado para acasalar, os filhotes ficariam com ela até que pudessem se defender.

Devido ao seu peso, deduz-se que era originário dos oceanos. Caso contrário, ficaria preso. Como mencionado acima, ele tinha narinas minúsculas, então provavelmente teve que enfiar a mandíbula para fora da água para respirar. Especialistas deixaram claro que ele teria que usar suas narinas de alguma forma, mas até agora isso permanece um mistério. Ainda há muito a ser descoberto sobre sua respiração.

Uma hipótese propõe que dentro dessas fossas haveria fibras que ajudariam a detectar o movimento, por exemplo, a maneira lateral em que os peixes nadam, o que seria uma utilidade adicional.

Estima-se também que ele não abriu a mandíbula debaixo d’água, pois seus pulmões se encheriam e ele morreria de asfixia. Esses pulmões, de grandes dimensões, por sinal, permitiriam que ele aguentasse 20 minutos com apenas uma lufada de ar fresco. Isso equivaleria a oito vezes a capacidade do ser humano em condições semelhantes.


Divulgue para seus amigos e seguidores!
caio carbonaro

Sobre Caio A Carbonaro Guerreiro

Caio A. Carbonaro Guerreiro é um renomado biólogo da Universidade de Santo Amaro, com vasta experiência e profundo conhecimento em seu campo. Ao longo de anos de dedicação, ele se destacou em pesquisas e projetos que contribuíram significativamente para a compreensão da biodiversidade e conservação ambiental. Sua paixão pela natureza e seu compromisso com a preservação a tornam uma referência respeitada, e seu trabalho tem um impacto duradouro na proteção dos ecossistemas e na educação ambiental.