Home » Animais » Mureína ou Peptidoglicano – O Que é Mureina

Mureína ou Peptidoglicano – O Que é Mureina

Divulgue para seus amigos e seguidores!

O peptidoglicano ou mureína constitui a estrutura básica da parede celular das bactérias e é ligeiramente diferente em bactérias Gram-positivas e Gram-negativas, embora em ambas seja formada pelos mesmos componentes, uma sequência alternada de N-acetil-glucosamina (NAG) e ácido acetil-murâmico (NAM), ligados por uma ligação β-1,4.

O que é Mureína: a mureína é uma sequência alternada de N-acetil-glucosamina (NAG) e ácido acetil-murâmico (NAM), ligados por uma ligação β-1,4.

O Que é Mureína  – O Que é Peptidoglicano

O que é Mureína: a mureína é uma sequência alternada de N-acetil-glucosamina (NAG) e ácido acetil-murâmico (NAM), ligados por uma ligação β-1,4. A mureína também é chamada peptidoglicano. A mureína é um componente estrutural da parede bacteriana.

O N-acetilmurâmico está ligado a um tetrapeptídeo, um segmento de 4 aminoácidos que marca a diferença entre bactérias Gram-positivas e Gram-negativas. No primeiro, os tetrapeptídeos estão ligados entre si através de pontes de pentaglicina (pentapeptídeo formado por cinco glicinas), enquanto no segundo estão ligados diretamente.

O peptidoglicano é uma macromolécula -uma das maiores conhecidas- com ligações cruzadas que conferem rigidez ao envelope da célula, a ponto de ser comparada a uma gaiola que envolve a célula em sua totalidade. É encontrado em todas as eubactérias, exceto Chlamydia e Mycoplasma.

Essas eubactérias também são chamadas bactérias verdadeiras sendo compostas de células procarióticas. Alguns desses organismos microscópicos podem afetar a saúde do ser humano, como a Escherichia coli e a Salmonela, presentes em carnes, ovos e vegetais mal cozidos. Outros, por outro lado, são muito benéficos para o organismo, como os que costumam ser encontrados no iogurte. Existem também alguns adequados para tratamento de água, processamento de vinho e alguns produtos lácteos, como queijo.

Responsabilidade de Peptidoglicano ou Mureína

Qual é a função da Mureína ou Peptidoglicano? Especificamente, a parede celular. O peptidoglicano (e os demais compostos envolvidos em sua síntese) é responsável pelo que acontece com o corante utilizado na coloração de Gram (técnica utilizada em bacteriologia), a propriedade de coloração violeta-escuro ou não (Gram-positiva violeta-escuro ou Gram-Negativo cor rosa) é um critério importante na correlação com outras propriedades bacterianas. Poucos organismos são Gram-Variáveis.

Bactérias Gram Positivas

Bactérias Gram Positivas. Acredita-se que essas moléculas carregadas estejam negativamente envolvidas na concentração de íons metálicos nos arredores. A eles estão ligados ácidos teicóicos e aminoácidos, diferentes entre as espécies. A presença dos aminoácidos L-Diaminopimélico ou D-Lisina é frequente.

A parede celular (peptidoglicano) ou rede mureína nas bactérias Gram-positivas é espessa, desenvolve-se até 40 camadas e é única, razão pela qual constitui uma característica taxonômica.

Bactérias Gram-Negativas

Bactérias Gram Negativas. Nos Gram-Negativos, o peptidoglicano ou mureína apresenta uma única camada e sua constituição é a mesma em todas as bactérias, contém meso-diaminopimélica e abundantes de lipoproteínas e lipopolissacarídeos, de modo que em sua formação o íon Ca++ é necessário para manter sua estabilidade.

Bactérias Gram Negativas. Nesse grupo de bactérias, a mureína pode ser atacada com lisozima (enzima bactericida que previne infecções). Quando são tratados com ácido etileno-diamina-tetraacético (EDTA), liberam parte dos lipopolissacarídeos e permitem a ação da enzima.

Efeito da Lisozima no Peptidoglicano

Efeito da Lisozima no Peptidoglicano. A lisozima é uma enzima contida no líquido lacrimal, secreção nasal e clara de ovo, recentemente também foi extraída de bactérias e bacteriófagos. Esta enzima tem a propriedade de quebrar a ligação beta glicosídica do peptidoglicano. Em outras palavras, destrói a parede celular e deixa a membrana celular ou protoplasto exposta, tornando a bactéria sensível à tonicidade do meio, processo conhecido como fenômeno de limpeza.

Isso não seria um problema em meios hipertônicos ou isotônicos, mas sim em meios hipotônicos, onde o protoplasto estoura e deixa restos da membrana citoplasmática, chamados fantasmas.

A membrana citoplasmática é uma folha fina e mutável que cobre a célula. Sua função é separar o ambiente celular interno do externo e controlar a passagem de substâncias.

Um efeito diferente daquele da lisozima é produzido pela penicilina, que impede a reticulação ou a ponte interpeptídica, mas não o alongamento do polímero.

Membrana Externa Bacteriana

Nas bactérias Gram-negativas, o peptidoglicano ou mureína é acompanhado por uma camada semelhante à membrana celular, que tem sido chamada membrana externa bacteriana. É constituído em sua parte externa por lipídio A do lipopolissacarídeo e em sua parte interna por fosfolipídios. Esta membrana liga-se ao peptidoglicano através da chamada lipoproteína de Braun e cumpre funções mecânicas e fisiológicas.

Agora, o espaço que vai da membrana plasmática à membrana externa é conhecido como espaço periplasmático, tem consistência gelatinosa e contém enzimas abundantes, inclusive as responsáveis ​​pela transformação de compostos inorgânicos como os nitratos. Em suas inúmeras bactérias, também são encontradas despolimerases, que atuam em biopolímeros como proteases e nucleases, entre outros.

No espaço periplasmático estão localizados sensores químicos que denotam variações ambientais.

Em bactérias Gram-positivas não há espaço periplasmático, mas funções semelhantes são cumpridas a partir da parte interna da mureína, onde moléculas de enzimas equivalentes àquelas do espaço periplasmático em bactérias Gram-negativas são retidas por forças eletrostáticas.

Como as bactérias respiram e onde o fazem


Divulgue para seus amigos e seguidores!
caio carbonaro

Sobre Caio A Carbonaro Guerreiro

Caio A. Carbonaro Guerreiro é um renomado biólogo da Universidade de Santo Amaro, com vasta experiência e profundo conhecimento em seu campo. Ao longo de anos de dedicação, ele se destacou em pesquisas e projetos que contribuíram significativamente para a compreensão da biodiversidade e conservação ambiental. Sua paixão pela natureza e seu compromisso com a preservação a tornam uma referência respeitada, e seu trabalho tem um impacto duradouro na proteção dos ecossistemas e na educação ambiental.