Home » Animais » Poupa-eurasiática

Poupa-eurasiática

O poupa É uma ave que vive nas regiões quentes da Europa, África e Ásia. É reconhecido pelas suas características particulares que o diferenciam de outros da mesma classe. Seu voo errático, que quando visto nos lembra uma borboleta, a pluma que carrega na cabeça e o som especial que emite. A poupa, cujo nome científico é Upupa epops pertence à família de Upupidae sendo considerada uma ave migratória, embora nas regiões onde encontra climas adequados, como as costas mediterrâneas da Espanha, viva permanentemente.

Poupa, características, alimentação, habitat, reprodução Pássaro, pássaro

Como reconhecer uma poupa? Suas características

A poupa é facilmente reconhecível por sua plumagem cor de canela, que às vezes pode ser marrom rosada ou avermelhada, em seu corpo, enquanto suas asas e cauda têm penas listradas, pretas e brancas. Em sua cabeça, porta uma pluma notável de penas eréteis, que se abrem em forma de leque, embora geralmente sejam dobradas. É uma ave pequena, que não ultrapassa os 30 centímetros de comprimento e a envergadura atinge os 50 centímetros.

Seu bico é longo, fino e levemente curvo, está adaptado para arranhar o chão e desenterrar larvas e insetos que constituem seu principal alimento. Eles também podem usá-lo nos interstícios das árvores, com a mesma finalidade.

A poupa tem como característica particular poder acumular grandes quantidades de fezes, o que a torna exalam um odor muito desagradável. Isso constitui um mecanismo de defesa contra predadores, no entanto, o odor fétido da poupa fez com que esta ave fosse estigmatizada desde os tempos antigos. O Antigo Testamento fala dela como uma ave impura.

O voo da poupa também é uma peculiaridade que a distingue, pois aparece de forma errática. Ele voa ondulante e muda de direção muito rapidamente, razão pela qual foi comparado ao de uma borboleta.

Onde mora a poupa?

Poupa

Estas aves são nativas da Europa, África e Ásia. A poupa é migratória quando habita as regiões do norte, nas restantes regiões que habita é residente, o que significa que não necessita de migrar por razões climáticas. Quando migram, poupas se deslocam da Europa para o norte da África e ao sul do Saara, para o inverno. Há também um regime migratório para quem mora no centro do Saara, seu destino é a região sul da Ásia.

Podemos encontrá-lo em regiões secas, florestas e áreas onde abundam árvores de fruto, vinhas e áreas de cultivo.

Alimentando

Na hora da alimentação, a poupa usa insetos, tem grande preferência por gafanhotos e grilos, consumindo-os em grande quantidade. É comum ver esses bichinhos andando pelo chão e cavando embaixo das pedras e no chão, procurando larvas. Eles usam o bico para coletar crisálidas da casca das árvores, especialmente pinheiros.

Sendo aves estepárias, as poupas banham-se na areia, nunca o fazem em água e a sua alimentação é adequada, não necessitam de consumir líquidos.

Reprodução de poupa

Durante a primavera, a poupa começa a emitir seu som característico, é surdo, parecido com uma flauta e extremamente monótono. Pode ser ouvido durante o dia e à noite. Desta forma, esta espécie inicia o namoro para atrair seu parceiro e conseguir o acasalamento. Quando o verão está próximo, essas aves param de fazer sons, é sinal de que o acasalamento começa.

a poupa

A poupa constrói seus ninhos para incubar os ovos nas cavidades das árvores, nas rachaduras que as rochas apresentam, nos telhados e nos celeiros. Eles também podem fazê-lo em pilhas de pedras e entre as paredes de casas e celeiros com pouco movimento. Seus ninhos não são muito elaborados, apenas colocam alguns galhos secos nos locais escolhidos. A época de reprodução varia de acordo com a região, mas os períodos variam do final do inverno até meados da primavera.

A fêmea põe entre 5 e 10 ovos e se dedica a incubar os mesmos, período em que o macho se encarrega de alimentar a fêmea e durante os últimos dias de incubação, o macho colabora com a fêmea nessa tarefa. Todo esse processo leva Aproximadamente 20 dias. Em certas ocasiões, a poupa pode colocar 2 garras anuais.

Ao nascer, os filhotes são quase completamente desprovidos de penas. Nesse período, tanto as fêmeas quanto os filhotes, por meio de suas glândulas uropigiais, exalam uma secreção com odor fétido. Isso funciona como um mecanismo de defesa contra possíveis ataques de predadores. Além disso, os filhotes podem pulverizar seus agressores, pulverizando-os com fezes.

Os filhotes de poupa permanecem no ninho por cerca de 25 dias, sendo alimentados com insetos por ambos os pais. Começa então o período em que os jovens começam a aprender a voar, mas ainda vão continuar por um curto período dividindo espaço com a família. A poupa adquire sua fisionomia adulta muito rapidamente.

caio carbonaro

Sobre Caio A Carbonaro Guerreiro

Caio A. Carbonaro Guerreiro é um renomado biólogo da Universidade de Santo Amaro, com vasta experiência e profundo conhecimento em seu campo. Ao longo de anos de dedicação, ele se destacou em pesquisas e projetos que contribuíram significativamente para a compreensão da biodiversidade e conservação ambiental. Sua paixão pela natureza e seu compromisso com a preservação a tornam uma referência respeitada, e seu trabalho tem um impacto duradouro na proteção dos ecossistemas e na educação ambiental.