Home » Dinossauros » Dinossauros Carnívoros » Albertosaurus: um predador rápido

Albertosaurus: um predador rápido

Nome: Albertosaurus

Dieta: Carnívoro

Peso: 1,5 toneladas

Período: Cretáceo

Encontrado em: Canadá

Gênero Albertossauro consiste em um Titanosaurid terópode saurischian dinossauros do final do Cretáceo, aproximadamente 70 milhões de anos atrás. O nome do gênero significa “lagarto de Alberta” devido à área onde o primeiro espécime estava localizado.

Por outro lado, não se sabe exatamente se há uma ou duas espécies que estão finalmente contidas neste gênero chamado Albertossauro.

Devido a esse fenômeno, só nos limitaremos a descrever o que aconteceu e relatar todos os dados que temos à nossa disposição, porque o Debate científico sobre essas espécies gera muitas discussões acaloradas neste mundo da Paleontologia.

Este animal, como mencionamos claramente, acabou por ser um verdadeiro tiranossaurídeo, e como os outros tiranossaurídeos, este dinossauro acabou por ser um Excelente predador que se alimentava frequentemente de outros dinossauros ou animais de seu tempo.

Além disso, sabe-se que ele só precisava de dois de seus membros para poder se mover de um lugar para outro, enquanto o tamanho de seu crânio, que era grande, também era semelhante ao tamanho dos outros tiranossaurídeos.

Este crânio também tinha um Estrutura mandibular bastante poderosa, que continha dentro numerosos elementos dentários, que foram perfeitamente projetados para a ingestão de carne, diz-se que existem dezenas de dentes que estavam dentro desta estrutura.

Como fato importante, vale destacar a possibilidade de que esse animal possa ter sido o Predador de maior importância dentro do seu território e durante os anos em que viveu, devido à sua dimensão e à agilidade com que podia caçar.

Se você quiser descobrir tudo sobre o Albertossauro Não perca as extensas informações que oferecemos abaixo.

Taxonomia do Albertosaurus

Reino Divisão Classe Superordem Ordem Subordem Infraordem Família Subfamília
Animalia Chordata Sauropsídeos Dinosauria Saurischia Theropoda Coelurosauria Tyrannosauridae Albertosaurinae
  • Este animal pertence ao Reino Animalia
  • A borda ou divisão do espécime é Chordata
  • A classe deste espécime é Sauropsídeos
  • A Superordem deste animal é Dinosauria
  • A Ordem deste indivíduo é Saurischia
  • A subordem acaba por ser a de Theropoda
  • A infraordem deste dinossauro é a de Coelurosauria
  • A família deste espécime é Tyrannosauridae
  • A subfamília deste espécime é Albertosaurinae
  • Uma das espécies é A. sarcófago

Descobrimento

Sobre as descobertas mais importantes, podemos dizer que mais do que duas dúzias de estruturas ósseas, o que possibilitou que os pesquisadores mais dedicados obtivessem uma série de dados e informações sobre o animal que teriam sido impossíveis de obter sem essas descobertas afortunadas.

É graças a isso que agora o Anatomia deste animal É conhecido do público, algo que não aconteceu com outras cópias também colocadas dentro do grupo de celebridades. Tiranossaurídeos.

O que é bastante interessante sobre uma dessas descobertas é que eles encontraram um Dez, criaturas articulações fossilizadas, sendo bastante provável que este animal também tenha desenvolvido a sua vida na companhia de outros da mesma espécie, o que permitiu que o grupo prosperasse de uma forma mais simples e sem tantas complicações.

Este achado em grupo também dá a opção de poder investigar o famoso e interessante Biologia do desenvolvimento, uma investigação que não pode ser realizada em outros espécimes de dinossauros porque não se encontram nas mesmas circunstâncias.

Características do Albertosaurus

Em seu tamanho, podemos compará-lo com outro espécime conhecido como Tiranossauro, que além de ser um Parente direto do dinossauro protagonista de hoje, acabou por ser maior do que este.

Considerando esses dados, se quisermos ter uma ideia do tamanho exato do Albertossauro Devemos pensar mais em um animal moderno conhecido como rinoceronte-negro, já que o volume desse dinossauro era bastante semelhante ao volume dessa criatura de nossa época.

Como havíamos mencionado, este animal acabou por ter dimensões menores do que outros espécimes colocados dentro do grupo de Tiranossaurídeos, sabe-se que os espécimes que atingiram a maturidade podem ter atingido um Comprimento máximo de 9 metros.

Mas como estamos destacando, era o comprimento máximo, não o comprimento médio, em seu volume médio pode-se calcular pesar uma tonelada, enquanto o peso máximo que qualquer um deles poderia ter atingido é a 1700 quilogramas.

Obviamente, não podemos confundir essa dimensão menor que surge ao compará-la com outros tiranossaurídeos com que Albertossauro tinham uma pequena envergadura.

Nas extremidades deste animal podemos dar alguns detalhes, e é que os membros localizados na área frontal acabaram por ser de uma dimensão menor se compararmos com o resto da sua estrutura corporal, além disso, podemos ver que apenas no final destes membros só podemos encontrar um par de dedos.

Nas extremidades da área traseira podemos dizer que eles tiveram um prolongamento maior e apenas no final não apresentaram um total de dois dedos, mas quatro.

Os dedos do Albertosaurus têm uma peculiaridade, que é que um deles tinha um tamanho realmente menor, Era praticamente minúsculo., por outro lado, os outros três dedos restantes desfrutaram de um tamanho decente e, obviamente, serviram para ajudar o animal a se mover.

Diz-se também que este dinossauro pode ter sido um dos mais rápidos do seu tempo, alcançando um total de 48 quilômetros por hora, isso equivale a dizer que ele correu mais de uma dúzia de metros por segundo, algo que é impressionante se compararmos com um ser humano, e é ainda mais impressionante considerando o grande tamanho que esse animal possuía.

O pescoço deste curioso espécime gozava da forma de uma letra S, como foi o caso de outros espécimes dos quais já falamos em ocasiões anteriores, o comprimento total do seu pescoço era quase 100 centímetros.

No entanto, esse tamanho só foi atingido por dinossauros que atingiram a maturidade e, como sabemos, nem sempre foi assim devido aos perigos e ao ambiente hostil em que viviam.

Além disso, esse grupo de animais também apresentou o que conhecemos hoje como fenestras, que estavam localizados na zona temporal da estrutura do crânio do indivíduo, como você certamente sabe, essas fenestras acabaram por ser, na verdade depressões ou vazios que cumpriam a função de decolar peso para a região geral do crânio.

Um fato curioso é que conhecemos muito bem essas estruturas porque o ser humano também as tem em seu crânio, embora recebam uma nomenclatura diferente.

As fenestras também tinham a importante função de ser um ponto de inserção para alguns músculos, a mesma coisa aconteceu com Outros órgãos de grande importância para o funcionamento total do organismo.

As famosas cristas que mencionamos no início também eram compostas de um material ósseo raro e estavam localizadas na área superior dos globos oculares, então sua aparência era realmente aterrorizante.

Sabe-se também que a cor dessas cristas únicas pode ser muito marcante e até brilhante, já que Essas estruturas eram de grande importância no processo de namoro, um processo que foi essencial para o animal encontrar uma fêmea e transmitir seus genes.

Os dentes do Albertosaurus

Sobre o Área mandibular Podemos dizer que exatamente um total de seis dúzias de espaços foram encontrados nos quais os dentes foram inseridos, embora nem todos os elementos dentários tenham sido encontrados exatamente.

Nesta ocasião, o grande Albertossauro Ele venceu a competição, já que os outros tiranossaurídeos não tinham mais elementos dentários, apesar do fato de que as dimensões de seus crânios e Regiões mandibulares Eles eram muito mais velhos.

Sobre esses dentes também podemos apontar que curiosamente eles tinham uma forma e desenhos totalmente diferentes, um do outro diferia muito, e isso acontecia de tal forma porque cada um Grupo Odontológico Tinha uma função específica dentro do processo de caça e alimentação.

Após o estudo desses dentes, determinou-se que, enquanto alguns serviam para esmagar, outros elementos poderiam servir para rasgar a carne com muito poder, da mesma forma que outros elementos poderiam ter outros propósitos.

Sobre isso, podemos acrescentar que os elementos dentários localizados no Região pré-maxilar da mandíbula acabou por ter uma dimensão menor do que a dos outros elementos dentários localizados em outras áreas, além de tinha a forma de uma letra D, como vimos em outros espécimes ou em outras espécies de dinossauros.

Os elementos que estavam localizados no maxilar Em vez disso, eles foram projetados para suportar as grandes pressões que surgiram quando este grande dinossauro Ele lutou com outro animal. A fim de capturá-lo e transformá-lo em alimento, é por isso que, obviamente, eles tiveram que apresentar outra estrutura para ter uma função diferente.

Por outro lado, calculou-se que a força com que este animal poderia ter feito uma mordida provavelmente não era maior do que a de outros espécimes que acabaram por ser seus parentes diretos..

Mas isso não significa que essa mordida não fosse poderosa, uma vez que foi demonstrado que, mesmo sendo menos poderosa, era suficiente para exercer uma pressão terrível sobre o corpo de sua presa, tanto que Ele até os mataria em questão de pouquíssimo tempo.

carlos cisneros

Sobre Carlos Cisneros

Carlos Cisneros é um paleontólogo de destaque e membro ativo da Sociedade Brasileira de Paleontologia. Sua paixão pela paleontologia o levou a contribuições notáveis no estudo da pré-história do Brasil. Com uma carreira dedicada à descoberta e análise de fósseis, Carlos desempenha um papel fundamental na reconstrução da história da vida no país. Seu trabalho não apenas enriquece nosso conhecimento sobre os ecossistemas passados, mas também ajuda a promover a importância da conservação e proteção do patrimônio paleontológico do Brasil.