Home » Geral » Volframite

Volframite

Cada rocha ou mineral compreende uma série de processos desde sua formação até sua posterior materialização. Mesmo aqueles que não recebem tal denominação são capazes de oferecer um amplo leque de possibilidades na elaboração de diferentes artigos, e a volframite se destaca nesse sentido.

volframite

Beatrice Murch (licença)

Este mineral designado como misto, está situado a meio caminho entre hubnerite e ferberite. Quando se trata de seu estado natural, possui cristais prismáticos longos e agrupados em colunas. Embora existam exemplares cujas peças se agrupam em aglomerados densos, em forma de cinzel ou achatados. Geralmente possuem desenho estriado, com brilho metálico.

Visualmente, é possível confundir wolframita com cassiterita, porque geralmente estão muito próximos um do outro, e ambos são de origem magmática. No entanto, quando esfregado contra outro material, o primeiro é capaz de deixar uma marca preta. Este mineral é duro e pesado e suas tonalidades podem variar do preto ao marrom escuro, com alguns destaques avermelhados. No entanto, quase todos os espécimes são opacos.

Origem do seu nome

Embora isso não seja certo, a palavra Wolframita pode derivar do alemão antigo. As partes “lobo” e “carneiro” se traduzem em “espuma de lobo”, uma combinação usada para se referir ao material cremoso que é expelido durante a metalurgia do tungstênio.

Outra teoria indica que o nome desse material vem da palavra alemã “wolfram”, que significa “tungstênio”, que é seu principal elemento. Na escala de Mohs, a volframite tem uma dureza de 5,5.

Composição química da volframite

Atualmente, a volframite não faz parte do portfólio mineral da International Mineralogical Association, pois não possui fórmula definida. Na composição química da wolframita é possível encontrar pedaços de ferro, manganês e magnésio, por isso é agrupado entre os minerais de óxido.

Geralmente, quando se trata de um mineral intermediário de uma solução sólida em dois extremos diferentes, o termo wolframita é usado para descrevê-lo. Especificamente, refere-se a dois em particular: Hûbnerite (MnWO4) e Ferberite (FeWO4).

Hubnerita é um mineral que combina tungstênio e manganês em sua composição. Foi descoberto por Eugene Riotte em 1865, embora seu nome se deva a Adolph Hubner, que era um engenheiro de minas alemão que viveu no século XIX. Em seu estado natural, exibe lamelas transparentes e uma cor vermelha piscante em toda a peça.

A ferberita, por outro lado, é composta por pequenos pedaços de ferro e possui uma cor preta opaca muito característica. Na luz, esse mineral tem brilhos metálicos porque parece ser formado por cristais escuros. Seu nome homenageia o mineralogista amador Moritz Rudolph Ferber, natural da Alemanha, que o descobriu em 1863 em Almería, Espanha.

Depósitos de Wolframita

Como dito anteriormente, este mineral é muito próximo da caserita, que é bastante cristalina, galena ou blenda. Juntamente com a sheelite, a volframite é um dos materiais mais importantes derivados do volfrâmio. Também está associada a outras rochas conhecidas, como quartzo, turmalina, fluorita, arsenopirita, apatita e molibdenita. Este mineral tem alguma semelhança com a columbita, mas é mais difícil.

O habitual é encontrar wolframita na forma de granitos ou pegmatitos. Da mesma forma, em depósitos hidrotermais ou pneumatolíticos. Uma alta concentração desse material é encontrada na Alemanha, especificamente na Saxônia. Da mesma forma, na Espanha existem grandes depósitos, especialmente na área da Corunha.

Até o momento, a China detém 75% das reservas mundiais de volframite. Seguem-se: Líbia, Estados Unidos, Colômbia, Namíbia, Brasil e Coreia do Sul. O Peru é famoso por produzir espécimes populares do mineral hubnerita, especialmente com uma tonalidade vermelha transparente.

Importância industrial

Como a volframite é o material resultante do tungstênio, Este mineral é usado em filamentos de iluminação. Ou seja, em lâmpadas cuja corrente elétrica passa por um pedaço de tungstênio até atingir a temperatura certa para irradiar.

Também tem múltiplas aplicações na indústria de armas., porque durante a Segunda Guerra Mundial foi muito cobiçado. Era adequado para blindar o nariz de cada projétil antitanque e como escudo para alguns veículos blindados.

Para obter uma quantidade considerável de wolframita, é necessário ver uma certa quantidade de refrigerante. Com este procedimento, a substância resultante será o ácido volfrâmico misturado ao ácido clorídrico, que será reduzido à geração do elemento. É comum que na hora do corte seja feito em facetas, já que é um item de colecionador.

Uso de wolframita em litoterapia

Algumas rochas são usadas na cura terapêutica de condições médicas. Wolframite, especialmente, serve como uma rocha âncora devido à sua extrema força. Acredita-se que esteja associado ao fortalecimento do sistema esquelético e seja benéfico para profissionais que realizam trabalho de força física, principalmente atletas.

liana trotte

Sobre Liana Trotte

Liana Trotte é uma graduada em engenharia pela Universidade Brasil, destacando-se por sua sólida formação e habilidades técnicas. Sua paixão pela resolução de problemas e inovação a conduzem a enfrentar desafios complexos com criatividade e determinação. Liana é uma profissional comprometida em aplicar seu conhecimento em busca de soluções eficazes e inovadoras. Sua formação sólida e mentalidade orientada para resultados a tornam uma adição valiosa em qualquer empreendimento que busque excelência em engenharia.