Home » Meio Ambiente » Alimentação de tubarão: o quê? Quantos? e com que frequência?

Alimentação de Tubarão: O Quê? Quantos? e Com Que Frequência?

O que os tubarões comem?

A alimentação do tubarão pode variar dependendo da espécie a que nos referimos.

Mas, em geral, são carnívoros, embora existam alguns que comem fitoplâncton e algas ou organismos vivos suspensos na coluna de água.

Os tubarões carnívoros se alimentam de outras espécies de animais aquáticos: peixes, moluscos, crustáceos, tartarugas, focas, golfinhos, baleias e outros tubarões. Os tubarões carnívoros mais mortais são os tubarões branco, touro, tigre, mako e martelo.

Embora os seres humanos tenham pavor do tubarão, esse animal não tem o homem em seu cardápio alimentar e, portanto, os ataques que têm ocorrido no mundo geralmente se devem à invasão do habitat do tubarão.

Muitas vezes acontece, como aconteceu em Massachusetts, Estados Unidos, que o tubarão fica confuso quando vai atacar alguma presa, neste caso focas, e morde um ser humano que está em seu caminho.

Em algumas ocasiões, esse ataque foi mortal, já que a vítima morreu como resultado das mordidas de tubarão.

Como os tubarões caçam?

Como os tubarões caçam

Os tubarões têm uma maneira furtiva de caçar e podem até planejar como vão surpreender suas presas.

Para isso, estão equipados com cartilagem, o que os torna muito ágeis,, com um olfato poderoso que lhes permite cheirar sangue a quilômetros de distância.

Eles também têm os sentidos da visão e da audição altamente desenvolvidos, pois podem ouvir sons de longa distância, sob o mar, que é onde costumam caçar. As vibrações da presa na água são interpretadas pelo tubarão, que espera furtivamente o momento de atacar.

O ataque é em forma de torpedo, de baixo para cima, para que um tubarão de quatro metros de comprimento, pesando milhares de quilos, possa atordoar sua presa apenas batendo nela, rasgando um pedaço de carne com seus dentes afiados e depois voltar para devorá-lo completamente.

Você sabia que…?

O tubarão é um caçador mortal. Na superfície eles podem atacar os golfinhos com um salto fenomenal que os felinos mais experientes da selva invejariam. Essa sagacidade e agilidade lhes permitem caçar pássaros que pousam nas águas, antes que possam alçar voo.

Eles também comem baleias. Houve inúmeros casos de baleias mortas nas praias do mundo, mordidas por tubarões. O que significa que comem tudo o que encontram pelo caminho, e nisso não são muito diferentes de outros predadores da selva, como o leão, o tigre ou a onça.

Outras espécies, como o tubarão-baleia, com 14 metros de comprimento, não são tão ágeis e se alimentam apenas de fitoplâncton, algas e pequenos peixes dos cardumes que encontram pelo caminho. Esta espécie tem uma boca de 1,50 metros de largura, o que lhe permite garantir alimentos sem grandes problemas.

O tubarão-baleia é uma das espécies que não mastiga, pois seus dentes são muito pequenos, mas come filtrando a água, como o tubarão-frade e o tubarão boca-grande.

Nesse sentido, o tubarão-baleia engole cerca de 6.000 litros de água por hora e, enquanto filtra o plâncton através de suas fibras cartilaginosas, expele a água; de modo que, quando as guelras apanham comida suficiente, ela fecha a boca e a engole.

Quanto os tubarões podem comer?

Quanto os tubarões podem comer?

Por terem um metabolismo mais baixo do que os outros animais, os tubarões não comem com avidez, pois quando ingerem alimentos que correspondem a 2% do seu peso corporal sentem-se satisfeitos.

Por esta razão, a quantidade que um tubarão deve ingerir depende da espécie que é, pois, 2% do peso corporal de um tubarão lanterna, que é muito pequeno, não é o mesmo do tubarão-branco ou do tubarão-baleia, que pesa cerca de 20 mil quilos.

Isso porque leva vários dias para digerir o alimento armazenado no estômago, que é grande, ao contrário do esôfago, que é pequeno. Alguns alimentos ingeridos pelo tubarão podem não ser do seu agrado, razão pela qual haverá um momento em que os expulsará, libertando-se deles.

Isso se deve ao fato de essas espécies possuírem uma abertura, o piloro, que liga o estômago ao intestino, o que impede a passagem de substâncias ingeridas pelo animal que não lhe são úteis. O estômago tem a capacidade de reverter esses alimentos, regurgitados pelo tubarão para o exterior.

O tubarão-baleia, dada a sua grande anatomia, é capaz de ingerir grandes cardumes, independentemente do seu tamanho, como carapau e sardinha. Este gigantesco animal tem reservas suficientes para não sofrer dificuldades de qualquer tipo por falta de comida.

Com que frequência os tubarões se alimentam?

Com que frequência os tubarões se alimentam?

Os tubarões se alimentam de fome, não por necessidade ou hábito constante como acontece com os seres humanos, que precisam se alimentar três ou mais vezes ao dia; portanto, não há tempo específico para a alimentação.

Como o metabolismo do tubarão permite que ele digira a comida em dias, e não em horas, ele está adaptado para durar muito tempo entre as caçadas.

O mesmo não acontece com outros peixes, alguns dos quais devem ser alimentados até seis vezes ao dia. Em condições normais, os outros peixes podem ficar três dias sem comer, mas após esse período suas defesas tenderão a diminuir e enfraquecerão, algo que não acontece com o tubarão, graças às reservas alimentares que possui.

Quanto tempo um tubarão pode ficar sem comer?

Quanto tempo um tubarão pode ficar sem comer?

Os tubarões podem passar um tempo sem comer, mas esse tempo dependerá das características de cada uma das espécies.

Seu metabolismo, que não lhes permite digerir alimentos em horas como os humanos, os impede de comer constantemente, pois, como já foi dito, esse processo pode levar vários dias.

Alguns tubarões podem até passar semanas sem comer, como o grande tubarão-branco, mas, embora possa parecer contra-intuitivo, quanto mais tempo ficam sem comer, as habilidades olfativas e reflexos desse peixe aumentam.

sergio koifman

Sobre Sergio Koifman

Sergio Koifman é um renomado biólogo com mais de duas décadas de experiência dedicadas à pesquisa e ao entendimento dos ecossistemas naturais. Seu extenso histórico inclui estudos aprofundados sobre a biodiversidade, conservação e sustentabilidade ambiental. Ao longo de sua carreira, Sergio desempenhou um papel fundamental na preservação da vida selvagem e na promoção de práticas sustentáveis. Sua paixão e compromisso em relação à natureza o tornam uma autoridade respeitada na comunidade científica e um defensor incansável da proteção ambiental. Seu trabalho tem um impacto duradouro na preservação dos ecossistemas e na conscientização ambiental.