Home » Meio Ambiente » Floresta Esclerófila: [Características, Flora, Fauna e Temperatura]

Floresta Esclerófila: [Características, Flora, Fauna e Temperatura]

Divulgue para seus amigos e seguidores!

Pontos importantes sobre a Floresta Esclerofilosa:

  • O que é? A floresta esclerófila é quase uma exclusividade vegetal formada no Chile, no sul do continente americano, especificamente entre as regiões de Valparaíso e Biobío, ou seja, na zona central desta nação. A palavra esclerófila significa folha dura.
  • Onde está localizado geograficamente? Esta floresta em particular domina principalmente na chamada Cordilheira da Costa e nos Andes, onde existem ecossistemas mediterrâneos, cobrindo a chamada depressão central, ou seja, o centro do Chile.
  • Como é a vida selvagem? Caracteriza-se pela presença de milhares de aves de diferentes espécies, além de muitos insetos. Entre os mamíferos, o domínio territorial dos roedores é importante, assim como a presença de muitas raposas, especialmente a raposa vermelha.
  • Como é a flora? As características do tipo de flora predominante na floresta esclerófila determinam esta formação vegetal, pois são duras, fortes, com espécies arbustivas e arbóreas que conseguiram se adaptar a condições extremas de seca e calor. Existem também espécies espinhosas e bulbosas.
  • Como está a temperatura? O clima desta floresta chilena é tipicamente mediterrâneo, com invernos chuvosos, chuvas fortes e verões muito secos. O clima temperado-quente predomina, com estação seca prolongada e precipitação no inverno.
  • Como é o solo? Os solos da floresta esclerófila chilena em direção à cordilheira costeira são geralmente pobres. Há um crescente escurecimento da vegetação esclerófila com perda de cerca de 40% de sua superfície nos últimos 50 anos.
  • Como é a precipitação? Chove durante o inverno, que dura apenas cerca de três meses, o que contrasta com as secas pronunciadas da temporada de verão, que é mais do que suficiente para que as plantas tenham folhas perenes.

O que é uma floresta esclerófila?

O que é uma floresta esclerófilaA floresta esclerófila é quase uma exclusividade vegetal formada no Chile, no sul do continente americano.

Especificamente localizado entre as regiões de Valparaíso e Biobío, ou seja, na zona central desta nação.

A floresta esclerófila está presente nas encostas das colinas pertencentes à chamada Cordilheira da Costa também na região andina.

Na verdade, eles se tornam um grande cinturão protetor para essas serras, regulando o ciclo da água, reduzindo a erosão e proporcionando uma grande produção de oxigênio para a vida e fixação de carbono.

Na primeira, Valparaíso, há uma área de mais de 16 mil quilômetros e quase 2 milhões de habitantes. Enquanto na chamada região do Biobío há uma área estimada em 37 mil quilômetros quadrados e mais de 2 milhões de habitantes.

E é que o Chile tem ecossistemas únicos no gênero, com florestas como essas que se adaptam perfeitamente a climas secos. A palavra esclerófila é uma palavra de origem grega sklerós, que significa duro e phýllon ou folha. Portanto, significa lâmina dura.

Há também poucas, em menor grau, florestas esclerófilas na Califórnia, Estados Unidos, Austrália, África do Sul e na bacia do Mediterrâneo.

Que características tem a floresta esclerófila?

Que características tem a floresta esclerófila?Sua principal característica é a presença de espécies xeromórficas de folhas perenes capazes de suportar secas prolongadas do clima mediterrâneo que cobre a região no verão.

São plantas ultra-resistentes ao semiárido, onde prevalecem verões secos, embora também haja invernos chuvosos.

Isso significa que as plantas esclerófilas são resistentes a mudanças drásticas ou fortes, toleram muito bem as diferenças de temperatura, durante o dia e à noite.

O incrível é que as folhas não perdem a cor verde, permanecem vivas o ano todo. Isso ocorre porque eles têm uma espessa camada de cera ou cutícula que impede que a umidade escape devido à evapotranspiração.

Onde está localizada geograficamente a floresta esclerófila?

Esta floresta em particular domina principalmente na chamada Cordilheira da Costa e nos Andes, onde existem ecossistemas mediterrâneos, englobando a chamada depressão central, ou seja, o centro do Chile.

Que fauna predomina na floresta esclerófila?

Que fauna predomina na floresta esclerófilaCaracteriza-se por uma grande presença de milhares de aves de diferentes espécies, bem como muitos insetos.

E entre os mamíferos, o domínio territorial dos roedores é grande.

Assim como se mantém a presença de muitas raposas, principalmente a raposa vermelha, mas não de exemplares grandes.

Em vez disso, há uma abundância de animais no chão. Das aves, destaca-se a presença de rolas, a codorniz californiana, melros, loicas, diucas, tordos, pintassilgos, chincoles, entre outras variedades muito pitorescas.

Da mesma forma, há a presença de muitas espécies de répteis endêmicos, que não se reproduzem em outros ecossistemas.

Que flora predomina na floresta esclerófila?

Que flora predomina na floresta esclerófila
Fonte: https://live.staticflickr.com/6145/5917196983_175ec79e3c_b.jpg

Precisamente as características do tipo de flora predominante na floresta esclerófila determinam essa formação vegetal.

Porque são duras, fortes, com espécies arbustivas e arbóreas que conseguiram adaptar-se a condições extremas de seca e calor, opressivas, graças às folhas duras com entrenós curtos situados entre a folhagem.

Há também a presença de espécies espinhosas e bulbosas. Sob este dossel da planta, formas de vegetação rasteira.

Eles têm uma casca dura e forte que se torna um isolante ou parede protetora e raízes fortes e profundas que captam a água do lençol freático de forma muito eficiente, tornando-a independente da precipitação.

Outro benefício dessas espécies de plantas é que elas exercem um controle efetivo sobre a erosão do solo, pois oferecem uma manta protetora que beneficia as bacias e também absorve a água das montanhas.

Eles também são ótimos purificadores de ar e oferecem um lar seguro para as espécies animais presentes nessas florestas. Existem árvores emblemáticas como Quillay, Litro, Boldo, Belloto del Norte, Maitén, Palmeira Chilena, Peumo, Romerillo, Colliguay, Boldo, entre outras.

Há a presença de algumas espécies que se transformam em tubérculos, ou seja, desenvolvem-se sob o solo, como é o caso da Flor de Gallo e do Azulillo.

Quão quente é a floresta esclerófila?

Quão quente é a floresta esclerófila?O clima desta floresta chilena é mediterrâneo, com invernos chuvosos, chuvas fortes e verões muito secos.

O clima quente-temperado domina com uma estação seca prolongada e precipitação no inverno.

Como é o solo da floresta esclerófila?

Como é o solo da floresta esclerófila?Os solos da floresta esclerófila chilena em direção à cordilheira costeira são geralmente pobres.

Mas ultimamente, de acordo com um estudo publicado na revista Ecological Indicators, pelo menos um terço dessas florestas perderam vegetação.

Em observações feitas de 2000 a 2017, como resultado de uma grande seca que cobriu toda a região ao norte de Santiago e o chamado limite sul da serra de Cantillana.

Do Litoral e do sopé dos Andes, sendo as florestas desta última região as mais afetadas. Da mesma forma, foi detectado um efeito de “refúgio” nesta região, caracterizado pelo fundo das ravinas presentes, como consequência do acúmulo topográfico de umidade.

Mas isso não impediu a crescente devastação de grandes áreas de floresta verde devastadas por esse fenômeno, que as transformou em áreas áridas, pardas, quase selvagens.

Há um crescente escurecimento da vegetação esclerófila com perda de cerca de 40% de sua superfície nos últimos 50 anos, pois também foram as espécies que mais sofreram com o desmatamento, com solos cada vez mais inférteis.

Toda esta situação lamentável é atribuída às mudanças climáticas, que trouxeram no caso específico desta bela região chilena um declínio no vigor da floresta esclerófila, com uma grande perda de folhagem nas árvores e arbustos.

Como é a precipitação na floresta esclerófila?

Como são as precipitações na floresta esclerófilaTem chuvas durante o inverno de apenas cerca de três meses que contrastam com as secas pronunciadas da temporada de verão.

O que é mais do que suficiente para as plantas terem folhas verdes.

Mas nas condições atuais e como resultado das mudanças climáticas e do aquecimento global, as chuvas diminuíram, especialmente na região do sopé de Santiago, embora estejam distantes nas áreas mais úmidas.

Portanto, é urgente, extremamente necessário tentar assumir estratégias efetivas que impeçam a destruição dessas florestas únicas nas zonas climáticas mediterrâneas, com plantas e animais endêmicos, especialmente na região central do Chile.


Divulgue para seus amigos e seguidores!
sergio koifman

Sobre Sergio Koifman

Sergio Koifman é um renomado biólogo com mais de duas décadas de experiência dedicadas à pesquisa e ao entendimento dos ecossistemas naturais. Seu extenso histórico inclui estudos aprofundados sobre a biodiversidade, conservação e sustentabilidade ambiental. Ao longo de sua carreira, Sergio desempenhou um papel fundamental na preservação da vida selvagem e na promoção de práticas sustentáveis. Sua paixão e compromisso em relação à natureza o tornam uma autoridade respeitada na comunidade científica e um defensor incansável da proteção ambiental. Seu trabalho tem um impacto duradouro na preservação dos ecossistemas e na conscientização ambiental.