Home » Meio Ambiente » Por que não sentimos o movimento da terra?

Por que não sentimos o movimento da terra?

Começo ” Movimento da Terra

Quão rápido a Terra está se movendo?

O movimento descrito traça uma trajetória elíptica de 930 milhões de quilômetros, calculada a uma distância média do Sol de cerca de 150 milhões de quilômetros (km), ou seja, a Terra se move a uma velocidade estimada de 29,5 quilômetros por segundo (km/s). .

Por que não sentimos os movimentos da Terra?

HidrosferaAs velocidades de rotação da Terra permanecem constantes, sem mudanças ou alterações.

É por isso que não sentimos acelerações ou desacelerações, porque simplesmente não há mudanças.

Nós nos movemos dentro do mesmo sistema terrestre, que permanece na mesma velocidade.

É por isso que não sentimos o movimento da Terra.

Só é possível perceber se uma mudança brusca de velocidade é aplicada a partir de um carro que está em alta velocidade, acelerando ou freando repentinamente, devido à inércia.

Não sentimos que a Terra se move e se move porque nos movemos na mesma velocidade e porque essa velocidade é constante.

Por exemplo:

Pode ter acontecido com você. Mas se você está em um veículo em alta velocidade e depois reduz gradualmente a velocidade, parece que está indo muito devagar. Mesmo que você ainda possa estar indo rápido.

Além disso, quando estamos em um avião, não percebemos que podemos estar viajando a uma velocidade superior a 800 km/h. É uma velocidade muito alta, mas não nos parece assim.

Existem dois movimentos constantes da Terra: ela gira em torno de seu próprio eixo e em torno do Sol, a Estrela-Rei.

O primeiro é chamado movimento rotatório e o segundo de tradução.

movimento de rotação da terra

por que não sentimos o movimento da terraNo primeiro, a Terra gira muito rapidamente sobre seu próprio eixo, de oeste para leste, no sentido anti-horário e a uma velocidade de rotação de 1.670 quilômetros/hora no equador, o que significa percorrer 40.000 mil quilômetros a cada 24 horas.

Mas à medida que nos aproximamos dos polos do planeta, esse valor diminui até chegar a zero (0).

Quanto tempo exatamente leva para a Terra girar em seu eixo?

energia solarUma revolução completa da Terra em seu próprio eixo leva exatamente 23 horas, 56 minutos e 4 segundos e é chamada de dia sideral.

Embora ao longo de milhões de anos, esse movimento de rotação tenha desacelerado como resultado de vários fenômenos de interação gravitacional com a Lua, em 2004 ocorreu um terremoto muito forte no Oceano Índico, que segundo a comunidade científica, fez com que o planeta acelerar a rotação em seu próprio eixo em cerca de 3 microssegundos.

Consequências do movimento de rotação

As consequências mais relevantes desse movimento de rotação são: sucessão do dia e da noite; forma achatada nos pólos e saliente em direção ao equador; diferenças de fuso horário; variações de temperaturas; estabelecimento dos pontos cardeais e um campo magnético que protege o planeta radiação solar.

Movimento translacional da Terra

causas de por que não sentimos o movimento da terraNo segundo movimento, o de translação, a Terra leva exatamente 365 dias e pouco menos de 6 horas para dar uma volta completa em torno do Sol, girando em órbita elíptica.

Esse giro também é anti-horário se olharmos o pólo norte do planeta do espaço, assim como acontece com o movimento de rotação.

A causa que produz este movimento de rotação é devido à gravidade, que provoca uma série de mudanças que permitem a medição do tempo.

Tomando o Sol como referência, temos o conhecido ano tropical, período que inclui as diferentes estações do ano, que são determinadas pela inclinação do eixo da Terra sobre a elíptica, que determinará quais áreas receberão mais radiação solar.

O que causa o movimento de translação?

Portanto, o movimento de translação determina a existência das estações do ano e do calendário.

sergio koifman

Sobre Sergio Koifman

Sergio Koifman é um renomado biólogo com mais de duas décadas de experiência dedicadas à pesquisa e ao entendimento dos ecossistemas naturais. Seu extenso histórico inclui estudos aprofundados sobre a biodiversidade, conservação e sustentabilidade ambiental. Ao longo de sua carreira, Sergio desempenhou um papel fundamental na preservação da vida selvagem e na promoção de práticas sustentáveis. Sua paixão e compromisso em relação à natureza o tornam uma autoridade respeitada na comunidade científica e um defensor incansável da proteção ambiental. Seu trabalho tem um impacto duradouro na preservação dos ecossistemas e na conscientização ambiental.